#Resenha: Como Mudar o Mundo – David Bornstein – 6 Qualidades de Empreendedores sociais bem sucedidos

6 Qualidades de Empreendedores sociais bem sucedidos

(cap. 18, página 289)

como mudar o mundo bornstein

Na série #euleiopravocê dessa vez trago um excelente resumo de características fundamentais que fazem empreendedores serem bem sucedidos, observadas por David Bornstein em seu livro “Como Mudar o Mundo”. Primeiro preciso contextualizar o conceito de bem sucedido, e isso fará bastante diferença para que se continue a leitura. Aqui, ser bem sucedido significa chegar mais perto de alcançar seus objetivos de impacto social positivo. A lista a seguir não trará estratégias ou ferramentas para que qualquer um seja um empreendedor de sucesso financeiro, mas sim um trabalho de observação e extração da essência destes empreendedores focados em resolver questões sociais, apresentando características inspiradoras e poderosas.

1) Disposição de corrigir-se

“É preciso uma combinação de obstinação, coragem e humildade para dizer ‘Isso não esta funcionando’ ou ‘Os nossos pressupostos estavam errados’, ainda mais quando o financiamento depende da execução de um plano pré-autorizado. No entanto, a tendência do empreendedor a corrigir-se nasce do apego a um objetivo e não a um plano ou abordagem específicos”

O legal aqui é o destaque e foco no objetivo, e não no próprio empreendedor. Corrigir-se tem como objetivo atingir um maior impacto social, independente de ego ou qualquer outra vontade do empreendedor.

2) Disposição de dividir os créditos

“Já se disse que não há limite para o que se pode conseguir quando não há preocupação com quem leva o crédito. Para os empreendedores, a disposição de dividir os créditos está no ‘caminho vital’ para o sucesso, simplesmente porque, quanto mais créditos dividirem, o normal é que mais gente vá querer ajudá-los.”

Dividir os créditos de maneira natural e verdadeira não é uma tarefa fácil, mas está diretamente ligada a essência do empreendedor e suas reais intenções com o empreendimento. Isto ocorre naturalmente quando, mais uma vez, o foco esta no objetivo social e não no reconhecimento do próprio empreendedor.

3) Disposição de se livrar de estruturas estabelecidas

O autor destaca aqui a habilidade dos empreendedores de avançarem mais rapidamente e de forma estrutural, ao envolver não só o setor social e sem fins lucrativos, mas também empresas, governos e universidades. Assim, “O que ganham é a liberdade de agir e a distância necessária para enxergar além da ortodoxia dos seus campos. Isso é fundamental, porque toda inovação traz consigo a capacidade de separar-se do passado.”

4) Disposição de cruzar fronteiras interdisciplinares

“Na verdade, uma das funções primárias do empreendedor social é atuar como um tipo de alquimista social: criar novos compostos sociais; reunir ideias, experiências, talentos e recursos de várias pessoas em configurações que a sociedade não está naturalmente predisposta a produzir”

Cada vez mais fala-se em soluções sociais sistêmicas, que atuem não só na questão em si, mas no contexto que circunda o tema e é ao mesmo tempo causa e consequência da situação. Assim, o empreendedor social funciona mesmo como esse fator que dá liga aos diferentes atores que intervem sobre determinada situação, potencializando suas atuações e ampliando o impacto positivo.

5) Disposição de trabalhar em silêncio

“‘A principal meta de muita gente notável é criar um personagem e desempenhar um papel’ ele [Jean Monet] observou. ‘São úteis à sociedade, na qual a imagem é importantíssima e a afirmação da personalidade essencial para administração das coisas. Mas, em geral, é o outro tipo de gente que faz as coisas andarem: aquela que emprega o seu tempo procurando lugares e oportunidades para influenciar o rumo dos acontecimentos. Os lugares nem sempre são os mais óbvios e as oportunidades nem sempre aparecem quando a maioria espera. Quem quiser descobrir tem de abandonar as ribaltas'”

Um ponto fundamental que fica claro é o foco nos objetivos sociais e não necessariamente no reconhecimento público das ações. Vejo isso não como uma premissa necessária, mas como um verdadeiro direcionador e catalisador das ações: se o empreendedor não está distraído tentando aparecer, fica mais fácil se focar na sua atuação e, consequentemente, envolver mais pessoas e alcançar seus objetivos. O mais interessante aqui é a lógica da “trajetória”, já que muitas vezes desconhecemos o caminho silencioso que um empreendedor social percorreu até ser reconhecido.

6) Forte impeto ético

“É impossível falar me empreendedores sociais sem levar em conta a qualidade ética da sua motivação: o porquê. No fim das contas, o empreendedores sociais e comerciais são praticamente da mesma espécie. Pensam sobre os problemas do mesmo jeito. Fazem o mesmo tipo de pergunta, A diferença não está no temperamento nem na capacidade, mas na natureza de suas visões. Em uma só pergunta: o empreendedor sonha em construir a maior fábrica de tênis ou vacinar todas as crianças do mundo?”

Acredito que a perspectiva do “porquê” é fundamental e realmente direciona a atuação do empreendedor para fins sociais ou apenas comerciais. Vale destacar qando o foco do empreendimento esta no beneficiário ou no empreendimento/empreendedor em si mesmo. Além de um bom “porquê”, um excelente “como” vai fazer toda a diferença na execução deste plano e garantir essência e profundidade na atuação

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s