Por que não falar em “Base da Pirâmide”

Ajudar as pessoas que estão na base da pirâmide. Empreender negócios para as pessoas que estão na base da pirâmide. Criar produtos e serviços acessíveis às pessoas na base da pirâmide. Melhorar a experiência de consumo e as condições de vida das pessoas na base da pirâmide.
Qual base e qual pirâmide?
A maioria das pessoas que atualmente se refere à base da pirâmide se baseia no livro de C.K. Prahalad “A Fortuna na base da pirâmide” para se referir a uma população em situação de pobreza ou com baixo poder aquisitivo. Esta população poderia ser então enxergada como mercado consumidor – ou mesmo produtor – para integração à economia formal e potencialmente gerar um negócio que muda o mundo e pode gerar lucro.
Defendo um ponto para que ninguém que esteja realmente interessado na construção de uma sociedade mais justa e menos desigual, focado no tema da transformação social e mudança do mundo utilize o termo base da pirâmide. A pirâmide a qual Prahalad se refere é uma divisão de faixas de renda especificadas em seu livro – e previamente em um artigo co-escrito com Stuart Hart para a Strategy+ Business -, e posiciona mais de 4 bilhões de pessoas na base desta pirâmide, com poder aquisitivo de menos de R$1.500 dólares por ano (segundo a figura a seguir):
base da piramida Prahalad

Porém, esta é apenas uma versão da pirâmide econômica e social a qual estamos nos referindo direta ou indiretamente quando tratamos dessa abordagem. A pirâmide representa uma sociedade não só dividida em termos econômicos e demográficos, mas também um sistema que reforça as desigualdades impostas pelo modelo capitalista vigente, legitimando, de certa maneira, a manutenção de uma forma de pensar hierárquica onde há posições diferenciadas para cada um nesta nossa sociedade.
O Feudalismo e o Antigo Regime assumiam uma sociedade estamental, baseada em estruturas estáveis e praticamente imutáveis onde cada um ocupava uma função social determinada por nascimento, com pouca ou nenhuma mobilidade entre os chamados estamentos. A mesma pirâmide social, se observada com a ilustração de pessoas ao invés de números apresenta uma conotação muito menos interessante para a construção de uma sociedade mais justa e menos desigual.  Como estes exemplos:
BASE DA PIRÂMIDE piramide rei clero e povo moy_age piramidefeudal
Usar a expressão base da pirâmide é reforçar uma visão de sociedade hierárquica, com juízo de valor implícito sobre o papel de cada grupo social na manutenção de um status quo que praticamente garante a manutenção de posições sociais e não quebra paradigmas, não propõe mudanças sistêmicas e não constrói um novo modelo de sociedade inclusiva e igualitária.
No mínimo, ao se falar sobre esta pirâmide, seria importante situá-la no tempo atual e esboçar alguma visão da nossa sociedade não-piramidal pós intervenção. Ou seja, hoje vivemos em um contexto em que mais de 4 bilhões de pessoas vivem na base de uma pirâmide, mas no futuro acreditamos que com nossas intervenções essa pirâmide deixará de existir, se transformando em uma representação mais igualitária e bem distribuída.
Mesmo quando as intenções são positivas, como atender uma população com pouco ou nenhum acesso a produtos e serviços essenciais usando a lógica de mercado, usufruir de uma premissa preconceituosa, baseada em uma visão de mundo que não oferece espaço para uma mudança sistêmica e não enxerga o outro como igual e detentor dos mesmo direitos pode muito provavelmente enveredar a atuação e distorcer objetivos e resultados da intervenção. Meu medo é que a “atuação social” reforce o lugar de cada um nesta sociedade, dando um peso desleal a visão de “quem ajuda ou apoia” sobre o “outro que precisa de ajuda”.
Anúncios

2 comentários a “Por que não falar em “Base da Pirâmide””

  1. Achei ótimo seu post e realmente traz uma nova perspectiva para esse ponto de vista. Perfeito para levantar uma discussão muito interessante.

    Fisberg, vc conhece a Aliança Empreendedora? http://aliancaempreendedora.org.br/

    Ela faz um trabalho em vários locais do Brasil. Visando a capacitação e empoderamento de micro empreendedores indo até comunidades para oferecer essas capacitações e cursos. Acho que seria interessante até pra vc dar uma olhada e ver se consegue algum contato enfim. Minha namorada atualmente esta trabalhando com eles. Qualquer coisa me manda mensagem pra conversar se te interessar.

    Gostar

    1. Fala Leo! Que legal você comentar por aqui 😉 Eu conheço sim – e admiro muito – o trabalho da Aliança. Se eu puder contribuir com algo super interessa! Um abração!

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s