Um outro olhar sobre a exclusão

Discutir exclusão social é uma tarefa difícil. Ao mesmo tempo em que é um tema amplamente comentado, na maioria das vezes é sempre observado sobre uma ótica unidirecional. Ou seja, estuda-se o “excluído involuntário”, aquele que por alguma razão – ou um conjunto delas – situa-se à margem de alguma condição social de maioria.

É sempre o morador da favela, da periferia, de rua, o pobre ou o outro que é taxado de excluído, em relação ao que “nós” possuímos. Porém poucas são as vezes em que temos a sinceridade de nos enquadrar em uma outra classificação de excluídos: os excluídos voluntários.
O indivíduo que escolhe, voluntariamente, se posicionar às margens de uma realidade tida como mais complicada também está se excluindo. Explico: manter uma relação com o desfavorecido, o pobre, o favelado ou o morador da periferia apenas no campo das idéias é uma forma até mais cruel de exclusão. Abdica-se do dever de colaborar com esta pessoa em situação desfavorável em troca de um discurso, uma postura distanciada e uma série de justificativas aparentemente plausíveis.
Opta-se por uma postura distanciada, fazendo vista grossa aos problemas reais e enquadrando a complexidade dos problemas possíveis como se fossem um bloco só (do qual queremos distância);
Porém, urge a necessidade de um novo olhar sobre a exclusão. Não apenas incluir os desfavorecidos à vida publica e seus benefícios, como também incluir esta grande maioria já estável na solução dos problemas sociais. Na prática, há a necessidade de substituir esta lógica que divide a sociedade em duas para reestabelecer um sentimento de co-responsabilização pelo outro.
Anúncios

1 comentário a “Um outro olhar sobre a exclusão”

  1. muito legal seu blog, sua postura ativa perante suas idéias, crenças e consciencia..
    dei uma olhada rápida por seus posts, mas esse em especial me fez parar pra pensar MUITO.
    nao sei o quanto concordei com suas afirmações (talvez por terem mexido numa ferida pessoal, nao sei.. ainda assim..).
    toda ação de mudança se inicia primeiramente no campo das idéias, depois para o discurso para finalmente tornar-se realidade.
    entendo o perigo de se permanecer numa pseudo-reflexão, ou num discurso vazio, e entendo sua crítica quanto a estas posições…
    porém, como se pode exigir uma ação (ou seja, uma realidade concreta, uma atitude) , exigir um dever ou responsabilidade social de todo e qualquer individuo, quando a subjetividade de cada um é, teoricamente, livre em suas próprias idéias e principalmente ideais…?
    ok, eu sei que ficou confuso.. vou tentar reformular mais tarde..
    mas de qlqr forma, admirável jornada, a sua.. !!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s